Escoliose: principais causas, tratamentos e prevenção

Escoliose, mais conhecida como um desalinhamento originário na coluna vertebral, trata-se de uma curvatura espinhal, anormal, que pode ser para qualquer lado do corpo, podendo ocorrer com movimento de vértebra. Ou seja, não é uma regra que ocorre em todos os casos.

A escoliose é uma doença progressiva, quer dizer que a coluna continua se deformando em curvatura, sem o devido cuidado e requer tratamento imediato. O quanto antes detectado, melhores são as chances de realinhamento da coluna.

O Brasil possui inúmeros casos começando na adolescência, a maioria em meninas. O desenvolvimento do corpo em crescimento pode ser afetado e diagnosticado somente na fase adulta, mas pode-se notar algumas características antes disso. O que ajuda no tratamento antes que ela se torne uma escoliose sem reversão.

Tipos de escoliose:

  • Congênita (de nascença);
  • Neuromuscular;
  • Idiopática (sem causa aparente).

Pode ser classificada como funcional, em que a deformidade é reversível, pois não chegou à estrutura óssea. E a estrutural que é quando a curvatura já atingiu as vértebras.

Existem alguns sintomas que podem ser detectados, o ombro pode estar mais alto que o outro ou a pélvis pode estar inclinada.

Causas e Tratamento

A causa idiopática, que é sem motivo aparente da escoliose, é um dos maiores fatores predominantes hoje, as pessoas simplesmente apresentam esse desvio na coluna.

Em causas congênitas os médicos alegam que a maioria apresenta fatores genéticos que colaboram para a enfermidade.

E a de causa neuromuscular pode ser associada à sequela de doenças neurológicas, como de má formação congênita ou fragilidade muscular, além de paralisia ou perda de controle dos músculos decorrentes de doenças crônicas.

Tratamentos

Coletes

O ângulo da curvatura vai determinar o tipo de tratamento que pode ser aplicado.

Na maioria dos casos, quando ainda não se atingiu a estrutura óssea, um colete chamado de órtose pode e deverá ser usado.

Existem vários tipos de coletes que carregam o nome de onde foram desenvolvidos, sendo cada um deles com sua aparência distinta e o modo de uso.

Para fazer o uso é necessário o acompanhamento do médico, ele que irá designar a órtese que será de melhor aproveitamento no decorrer do tratamento.

O uso do colete não resolve a escolioses congênitas, nem em neuromusculares. Seu uso, embora não reverta a doença, é associado ao uso do mecanismo de pressão para alinhar a coluna e para se evitar o aumento da curvatura.

Cirurgia

Existe a opção cirúrgica para realinhar a curva feita pela coluna. Mas pode depender de alguns fatores, como a chamada “fase de crescimento”, no caso de adolescentes, eles não têm sua estrutura óssea adulta desenvolvida.

Raros casos em que a cirurgia é feita antes da maturação dos ossos, é quando a criança ou adolescente estão em situação grave, o que se pressupõe que a curvatura já está em 40 graus ou mais.

A cirurgia não vai corrigir a curva em sua totalidade, mas vai encaixar os ossos corrigindo da melhor maneira possível.

São colocadas hastes de metal presas a ganchos e parafusos na coluna, até que haja a recuperação dos ossos e estejam fixados no local devido. O pós-operatório pode exigir o uso de uma órtese (colete) para manter a coluna no lugar, estabilizando-a durante o processo de recuperação.

O que pode ser feito?

A escoliose é assunto sério que precisa de cuidados redobrados, por isso não se pode fazer todo tipo de exercícios.

Os exercícios mais indicados são aqueles que estimulam os dois lados do corpo igualmente e os músculos das costas.

Lembrando que seu médico tende estar a par de suas atividades durante o processo de recuperação para que não haja nenhuma complicação para você.

Exercícios indicados são o pilates; yôga; caminhadas, desde que use tênis próprio e que absorva o impacto para não lhe causar danos maiores, hidroginástica; natação e alongamento da coluna. A natação em especifico é recomendada por especialistas, pois é uma atividade aeróbica, não possui impacto como outros exercícios, fortalece e alonga os músculos ao mesmo tempo.

Ela deve ser parte de um tratamento, assim com, todas as atividades simétricas, ela evita um progresso da escoliose.

A doença não possui prevenção, pois como foi dito a maioria de forma idiopática, são as que aparecem sem nenhum fator indicativo. Mas de qualquer maneira existem alguns cuidados que você pode ter consigo, como:

  • Estar sempre atento a qualquer alteração física ou desconforto, qualquer doença ou problema diagnosticado na fase inicial têm melhores chances de recuperação;
  • Pratique exercícios que trabalhem com a simetria, ou seja, ambos os lados do corpo;
  • Tente manter uma postura correta em pé, com as costas ereta;
  • Evite o uso de peso excessivo em bolsas, mochilas, bolsas transversais que exigem muito esforço de um só lado do ombro, se for o caso alterne o uso da alça, cada hora em um lado;
  • Trabalha pegando peso, procure uma maneira de alternar, assim como com as bolsas pesadas;
  • Se for necessário o deslocamento de peso em seu trabalho, procure maneiras de evitar usando opções, como carrinhos, malas e mochilas com rodinhas;
  • No caso dos pais procurarem fazer exames, como de radiografia, nas crianças em um período determinado pelo médico como seguro;
  • E estar atento também a quantidade de materiais de uso escolar que estes levam, optar por mochilas que tenham rodinhas.

Sabemos que toda doença causa desconforto, mas podemos auxiliar na recuperação de todas elas com força de vontade e cuidados. Nunca deixe de buscar orientação médica, somente um especialista pode e vai te ajudar. Procure manter uma rotina saudável e valorize a vida.