Unidades do CRAS e demais equipamentos da Secid concluem balanço das ações sociais realizadas em 2023 – Noticias

Dezembro 31, 2023 0 Por admin

 

Fotos: Secid/Divulgação

Por: Rose Campos

As unidades dos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS), bem como outros equipamentos da Secretaria da Cidadania (Secid), concluíram as atividades de 2023 com a apresentação de um balanço das ações sociais realizadas ao longo de todo o ano, destacando os principais projetos de cada equipe, além dos resultados obtidos.

A apresentação teve início ressaltando as ações do CRAS Ana Paula Eleutério (Habiteto), alidadas às atividades do Território Jovem que atua também no local. A equipe, coordenada por Gabriel Bignardi, destacou uma atividade essencial: o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. São desenvolvidas atividades com foco em crianças e adolescentes atendidos pelo CRAS junto à Escola Wanda Costa Daher, que incluem oficinas temáticas, de acordo com as campanhas mensais trabalhadas, o projeto Cine e Prosa, além de atividades lúdicas, gincanas e os clubes de Teatro e Fotografia, que visam estimular as potencialidades artísticas dos participantes mas, sobretudo, a autoexpressão. Há também o projeto “Dançar e Crescer”, que oferece aulas de ballet, incluindo atividades técnicas e rodas de vivência, abrangendo diversas temáticas sociais. Atualmente, o projeto encontra-se inscrito no Selo Social, por meio da Secretaria da Cidadania.

O Varal Solidário foi um projeto realizado por iniciativa do Fundo Social de Solidariedade (FSS) e atendeu um total de 71 famílias, ao disponibilizar aos moradores locais atendidos pelo CRAS roupas e calçados novos ou em ótimo estado doados para a comunidade. Uma campanha sobre “Higiene pessoal” e a doação de kits de higiene bucal, doados pelo Fundo Social, também estiveram entre os projetos realizados durante 2023.

Encontro intergeracional

O CRAS Aparecidinha tem a peculiaridade de abranger também parte do público atendido pela UBS do bairro. Ali, a equipe coordenada pela Thais Verena S. B. Santos, tem entre os destaques o Grupo de Idosos “Plena Idade”. O objetivo é promover a intergeracionalidade entre os participantes desse grupo e a geração jovem da Escola Estadual Marco Antônio Mencacci, por meio de cartazes produzidos com os conselhos dos idosos e dirigidos aos adolescentes. A atividade proporcionou uma reflexão sobre o envelhecimento, tanto para os jovens, bem como para os idosos, que são vistos como portadores de bons conselhos por já terem uma experiência maior de vida. Na contrapartida, os adolescentes colocaram bilhetes em uma caixa agradecendo os conselhos recebidos.

Já o CRAS Brigadeiro Tobias, com trabalhos sob a coordenação da Viviane Pereira de Camargo, destacou a parceria com o curso de Terapia Ocupacional (T.O.) da Universidade de Sorocaba (Uniso), fazendo a busca ativa dos beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC), pessoas idosas, para atualização de Cadastro Único e convite para ações em grupo. Entre as atividades foram realizados cerca de 40 encontros com as temáticas: “A Arte do Econtro – Idosos”, “Mulheres e protagonismo comunitário”, “Grupo de Crianças”, “Encontro Intergeracional” e “Ação – MomenTO Elas”. Entre os resultados quantitativos, foram apontados: aproximação dos estudantes da Política de Assistência Social e troca de conhecimentos, além da parceria no desenvolvimento das ações, tendo em vista a qualidade das atividades prestadas aos usuários do CRAS.

Também foram desenvolvidas ações, ao longo do ano, articuladas pela Coordenadoria de Pessoa com Deficiência, a cargo de Jesiel Pontes de Oliveira, visando estimular a Empregabilidade da Pessoa com Deficiência. Assim, essas ações foram baseadas na Lei 8.213/91, que estabelece que empresas com 100 ou mais empregados devem preencher uma parte dos seus cargos com pessoas com deficiência. As proporções variam de 2% para empresas com 100 a 200 empregados até 5% para empresas a partir de 1.001 empregados. Além de dar visibilidade ao tema, com a divulgação de reportagem em veículo de imprensa com grande público, foram realizado feirões de empregos com oportunidades para esse público específico e firmada parceria com o Programa de Empregabilidade Inclusiva (PEI), de iniciativa do governo estadual, que proporciona suporte tanto ao trabalhador bem como à empresa.

O Clube do Idoso, coordenado por Faiga Raiça L. Damian, também apresentou suas atividades em 2023. Foram criadas novas aulas e oficinas, tais como as de aprendizagem da língua italiana, a aula de forró, um ritmo contagiante que estimula várias habilidades, como a coordenação motora, o ritmo, o fortalecimento muscular, a percepção espacial e a agilidade. O projeto “DivertIdoso” propõe uma série de atividades que trabalham a socialização, a coordenação motora e a recreação em grupo. Além disso, a realização de gincanas e as duas primeiras edições do Show de Talentos estão entre o rol de ações voltadas ao convívio, à sociabilidade e o treino de habilidades pessoais importantes na vida dos frequentadores do Clube.

Busca ativa BCP

No CRAS Sul-Leste também foi focada a busca ativa por pessoas que teriam direito ao Benefício de Prestação Continuada. Entre os idosos com 65 completos ou mais foram identificadas 110 pessoas. E entre os que completariam em 2023 a idade mínima para acessar o benefício, outras cerca de 100 pessoas foram contatadas. É um benefício que pode fazer muita diferença na qualidade de vida dessas pessoas. A equipe técnica do CRAS, coordenado por Flávia Laís Carpinete Oliveira, ainda, prestou orientações a pessoas com deficiência (PCD) que, igualmente, fazem jus ao benefício.

Enquanto no CRAS Laranjeiras, coordenado pela Claudia da Silva Martinez, foi feita uma ampla divulgação dos serviços, projetos e benefícios aos quais a população em vulnerabilidade tem direito. Assim, foram mostrados os critérios e condicionalidades dos programas assistenciais disponíveis. O objetivo, de maneira geral, é promover o desenvolvimento pessoal, fortalecimento da comunidade, diversidade de habilidades e troca de experiências.

No CRAS Nova Esperança, da coordenadora Ângela P. Nogueira Rodrigues, a proposta destacada foi o Projeto Gotas do Bem, que tem como objetivo acolher as famílias, com o foco na primeira infância (gestantes), através de bate papo com as participantes, auxiliando e  proporcionando acessos e garantia aos seus direitos, assim como o fortalecimento do vínculo familiar. Portanto, foi oferecido um ciclo de encontros semanais para esse público-alvo, buscando a valorização da mãe/mulher e da família, o fortalecimento das gestantes por meio de bate-papos e troca de experiência entre elas e, no final, a entrega dos kits Saída de Maternidade e kits de cuidados para o corpo da mulher.

O CRAS São Bento, conduzido pela coordenadora Natali C. B. Sbrana, demonstrou os resultados obtidos com os grupos de atividade coletiva, como o Grupo Mãos à Arte, que participou de ações práticas como a Festa Junina. O objetivo final é promover a igualdade de direitos entre homens e mulheres, propor a tolerância no convívio com as diferenças, além de organizar trabalhos em equipe. Intergeracionalidade, inclusão, diversidade e sentimento de pertencimento são alguns dos resultados  obtidos.

Comunidade no foco

O CRAS Ipiranga, coordenado pela Valquíria Mara Silva Ferreira, as ações em comunidade estão no foco. Por isso, foram apresentados alguns projetos que envolveram reuniões agendadas com lideranças comunitárias, para rodas de conversa e esclarecimentos sobre benefícios, formas de acessos e critérios. Também se buscou levar a um número maior de pessoas o trabalho proporcionado pelo CRAS, ressaltando, ainda, a importância de as famílias que se encaixam nos critérios estarem incluídas no Cadastro Único (CadÚnico) e obterem acesso aos benefícios a que têm direito. Em todas as ações também se buscou promover a percepção de força e valor da própria comunidade.

A Chácara do Idoso, por sua vez, conduzida pelo coordenador Sergio Marcelo Soler Sauer, mostrou sua missão de fazer vale o lema que não existe limite de idade para sonhar e realizar esses sonhos. Esse é o dia a dia entre o grupo de frequentadores, que ali têm acesso a aulas e oficinas como as de violão, canto, artesanato, ginástica, dança, entre muitas outras. O objetivo é proporcionar um ambiente acolhedor e inclusivo, no qual os participantes possam combater com alegria e vigor o isolamento, a solidão e outros problemas decorrentes dessas condições, comuns com o avançar da idade. Eventos culturais e experiências de viagens e festas, entre outros, fazem parte desses recursos, motivados pelo convívio social que é a essência do lugar.

O CRAS Cajuru, que está sendo coordenado pela Elaine Regina E. Barros, em substituição, focou o Grupo de Arte e Jogos para Crianças. Buscando a socialização, fortalecimento de vínculos, aprimoramento de potencial e habilidades, foi oferecido um espaço lúdico de interação social pronto a favorecer o potencial de descobertas e de aprendizado das crianças, de 6 a 12 anos, as quais são atendidas ali em diferentes turnos. Além das atividades realizadas, eventos como a visita do cão-terapeuta Buddy, da Guarda Civil Municipal (GCM), são ações voltadas à soma de experiências positivas das crianças e adolescentes atendidos.

No CRAS Carandá, coordenado pelo Adelson Ferreira Passos Jr., foi ressaltado o trabalho de fortalecimento de vínculo das famílias, a aquisição de experiências positivas, com grupos de arte, artesanato e passeios em grupo. Além de se trabalhar em reuniões e palestras temas como o combate à violência doméstica, o combate ao bullying nas escolas, entre outros.

O CRAS Vitória Régia, da coordenadora Rita de Cássia Farias da Silva, ressaltou a relevância das ações feitas em parceria, como as realizadas ao lado da UBS do bairro, com temas voltados à saúde, as qualificações profissionais, por meio da parceria com instituições como o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem  Industrial) e o ITEMM (Instituto Técnico Educacional Mirian Menchini), e de campanhas como a conscientização sobre o autismo. Outras campanhas voltadas à saúde e ao bem-estar também foram realizadas, como a do Setembro Amarelo, de esclarecimento e prevenção ao suicídio. E o Faça Bonito, no Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (18 de maio). O Pintura Solidária, voltado a crianças e adolescentes é outro projeto em execução.

No CRAS Vila Helena, coordenado pela Rosana dos Santos Gonçalves, três programas básicos se articulam:  Reflexivo Dignidade, Geração de Renda – Artesanato e o Cidadania na Mesa. Os resultados qualitativos têm sido ampliar as possibilidades e perspectivas de vida das pessoas participantes, além do fortalecimento pessoal e de vínculos.

Por fim, foi apresentado o programa Criança Feliz, voltado a proporcionar ferramentas para que famílias com crianças até seis anos proporcionem condições para o seu desenvolvimento integral. Assim, entre as ações realizadas são feitas visitas domiciliares, a inclusão das famílias no CadÚnico e feito todo o acompanhamento e dada a orientação necessária a elas. Em 2023, estavam inseridos no projeto dois territórios: Cajuru do Sul e Nova Esperança, tendo sido realizadas, de maio a outubro, 246 visitas às famílias.